Como criar um personagem?

Decida em qual gênero literário seu personagem estará. A história é de fantasia, ação, comedia, etc.?

Responda as questões a seguir: Qual o propósito do personagem na história? Por que esse personagem é essencial para a história?

Decida qual o propósito do personagem. Você está criando um personagem principal ou um coadjuvante? Um objeto de afeição ou um inimigo odiado do personagem principal? Decidir com antecedência qual o papel do seu personagem na história facilita a criação de uma personalidade para esse papel.

Dê algumas características básicas ao seu personagem. Esse será o esqueleto da personalidade do seu personagem. Como essa pessoa é? Quantos anos ela tem? De onde ela veio e como foi criada? Quais as coisas de que ela gosta? E as de que não gosta? Pense no seu personagem como alguém que você acabou de encontrar e está tentando conhecer melhor. Essas perguntas não precisam ser muito pessoais ou muito profundas. Afinal de contas, vocês acabaram de se conhecer! Além disso, mesmo que você não esteja fazendo uma história em quadrinhos, se você tem alguma habilidade com desenho, desenhar o personagem ajuda você a visualizá-lo ainda mais. Se você não cofia em suas habilidades de desenho, peça a um amigo habilidoso para ajudar você

Mergulhe ainda mais no passado do seu personagem. O que o fez virar quem ele é hoje? Existe algum segredo escondido que o personagem sente que precisa esconder? O personagem nasceu em circunstâncias extraordinárias ou teve uma infância normal? Crie uma biografia para ele e seja tão detalhista quanto quiser. Além disso, não hesite em adicionar experiências ao personagem, mesmo que você já esteja escrevendo a história. Você pode acabar descobrindo que, para o seu personagem reagir da forma como você quer que ele reaja em uma determinada situação, algo deve ter acontecido a ele no passado para ativar essa reação. Não há problemas em modificar a personalidade do personagem para encaixá-lo na história. Apenas se certifique de voltar e mudar qualquer coisa que não faça sentido com a mudança da personalidade.

Deixe que o personagem cresça e se desenvolva à medida em que a história progride. Todos os eventos na história aumentam as experiências e memórias do seu personagem e terão efeito nos pensamentos, ações e atitudes dele. Por exemplo, se você tem um personagem muito solitário e oprimido que recebe um brilhante instante de gentileza humana, a atitude dele irá mudar, mesmo que temporariamente.

O trabalho de um artista concept

Vamos falar do famoso Concept Art (traduzindo ao pé da letra, Arte Conceitual). Não confundir por favor, com o Movimento Arte Conceitual da Arte Contemporânea na História da Arte. São coisas completamente diferentes.

“Concept art é a forma de ilustração na qual o objetivo principal é transportar uma representação visual de um design, idéia, e/ou modo para uso em filmes, video games, ou revistas/livros antes do produto final. Essa é uma designação relativamente nova, popularizada por artistas que trabalham no setor automobilístico e na indústria de jogos. Esse termo começou a ser usado desde 1930 pela indústria tradicional de animação na qual estavam sendo descritas imagens pintadas ou desenhadas que ilustravam a aparência, sentimento, design, cores, etc, do filme animado que estava sendo produzido. Concept art é também referida como “desenvolvimento visual”, na animação tradicional. O termo foi mais tarde adotado pela indústria de games. Essas ilustrações tornaram-se necessárias para o desenvolvimento de propriedades visuais.” (Fonte Wikipédia: http://en.wikipedia.org/wiki/Concept_art )

Resumindo então, é isso. É a arte do design de referência para um objeto (armas, veículos, armaduras, equipamentos em geral) ou pessoas como um personagem ou criatura que não existem. Os que fazem concept art são chamados simplesmente de “concept artists”. O ponto central é: cumprir prazos.

É um trabalho que exige muito, e realmente toma tempo, mas que pode se tornar prazeroso, apesar de ainda assim você estar trabalhando para os outros.

Você conhece MODO?

Para quem não conhece, MODO é um software de computação gráfica, que vem ganhando o mercado nos últimos tempos, por sua simplicidade,qualidade e resultados incríveis em pouco tempo. É bem versátil, atendendo a diversos públicos e vários profissionais como arquitetos, designers, ilustradores, publicitários, fotógrafos,diretores de arte, web designers, vídeo makers, artistas, estudantes, etc. Além de todos os profissionais que usam aplicativos de imagem e design diariamente, e é claro, os que amam isso tudo.

Modo é um software com uma interface toda customizavél, o que o torno único nesse aspecto. Após você começar a usá-lo vai compreender o quão intuitivo esse software pode ser. Você pode customizar todos os painéis para a melhor maneira que você encontrar para seu trabalho. Se você apenas modela e texturiza, pode deixar ele apenas com esses painéis, deixando o layout mais simples e organizado.

No modo você pode esculpir, replicar centenas de milhares de coisas (como fazer uma floresta), pintar no próprio objeto, abrir um mapa de textura com muita simplicidade, animar, usar partículas, usar os assets, que são materiais prontos para aplicação em seus objetos, como madeira, vidros, plásticos, borrachas, metais, etc.

Talvez quem nunca tenha visto um programa 3D na vida, pode se sentir amedrontado ouvindo alguns termos como render, UV Map, diffuse color, joga no displacement, etc…. Mas fique tranquilo, esse curso é para você. Você vai se interar com esses e outros termos que virão. Durante o curso você vai desenvolver na prática, com uma abordagem de conteúdo direto e pronta, para que sua curva de aprendizado seja eficaz e rápida.

O nome MODOLOGIA vem para mostrar de forma geral esse
software que vem ganhando as melhores produtoras e agências por todo o mundo.